O elo mais fraco da cibersegurança: os seres humanos

Escrito por
Kristina Petrosyan
29 de setembro de 2023
-
5
minutos
Partilhar esta publicação
Imagem de publicação no blogue

Imagine a sua organização como uma fortaleza de muralhas impenetráveis, armada com as mais recentes defesas tecnológicas. Agora imagine a porta, escancarada por um funcionário que clicou numa ligação de correio eletrónico aparentemente inocente. É este o poder e o perigo dos factores humanos na cibersegurança.

Por mais sofisticada que seja a infraestrutura de cibersegurança de uma organização, o elemento humano acaba muitas vezes por ser o elo mais fraco da cadeia de cibersegurança. Então, porque é que isto acontece e como é que podemos formar os funcionários para estarem mais conscientes da segurança?

O fator humano: Uma bênção e uma maldição

Os seres humanos, por natureza, são seres confiantes e curiosos. Queremos ajudar os outros e somos frequentemente movidos por emoções e rotinas. Infelizmente, os cibercriminosos exploram estas mesmas qualidades para violar os sistemas de segurança.

  1. Ataques de phishing: Fazendo-se passar por entidades de confiança, os atacantes enganam os empregados para que revelem informações sensíveis ou cliquem em ligações maliciosas. As mensagens de correio eletrónico parecem reais, os sítios Web parecem genuínos e, quando damos por isso, os danos estão feitos e os malfeitores estão nos sistemas da empresa.
  2. Palavras-passe fracas: Mesmo sabendo da importância das palavras-passe fortes, muitas pessoas ainda utilizam palavras-passe fáceis de adivinhar ou reutilizam-nas em diferentes plataformas. Esta falta de complexidade pode ser um convite aberto para os piratas informáticos e transformar uma pequena fuga de palavra-passe numa violação em toda a infraestrutura.
  3. Fugas de dados inadvertidas: Por vezes, os funcionários partilham, sem saber, informações sensíveis com destinatários não autorizados. Podem não se aperceber da importância das informações ou dos potenciais danos que a sua partilha pode causar.

Formação dos trabalhadores: Construir uma firewall humana

Reconhecer a importância dos factores humanos na cibersegurança significa perceber que uma solução tecnológica por si só é insuficiente. É como ter um sistema de alarme de última geração mas deixar as chaves do edifício debaixo do capacho. Temos de construir uma "firewall humana" dentro das nossas organizações, e eis como:

  1. Formação regular de sensibilização: Realize sessões frequentes de sensibilização para garantir que os funcionários estão familiarizados com as ameaças mais recentes e com as políticas de segurança da organização. Estas sessões devem ser cativantes, relevantes e adaptadas às diferentes funções dentro da organização. Forefront pode ajudá-lo a concebê-las e a realizá-las!
  2. Simular ameaças reais: Realize ataques de phishing simulados para ajudar os funcionários a reconhecer e-mails de phishing e outras tácticas de engenharia social. Estes exercícios do mundo real oferecem uma experiência reveladora e feedback imediato aos funcionários, permitindo-lhes ver o efeito das suas acções simuladas.
  3. Criar uma cultura consciente de segurança: A segurança deve ser da responsabilidade de todos, não apenas do departamento de TI. Incentive a comunicação aberta sobre questões de segurança, recompense o comportamento proactivo e garanta que a segurança se torna parte dos valores da empresa e não apenas uma teoria.
  4. Implementar a autenticação multi-fator: Incentive os funcionários a utilizar a autenticação multifactor (MFA) sempre que possível, especialmente em sistemas sensíveis. Acrescenta uma camada extra de segurança que pode mitigar os riscos de palavras-passe fracas ou comprometidas, e alguns métodos de MFA são 100% à prova de phishing, como as chaves de segurança, por exemplo. ForefrontO parceiro da Yubico é o fabricante de chaves de segurança líder do sector.
  5. Fornecer ferramentas fáceis de utilizar: Se as medidas de segurança forem incómodas ou difíceis de seguir, os funcionários podem contorná-las. Certifique-se de que os protocolos de segurança são fáceis de utilizar e não dificultam as tarefas diárias. Uma forma simples de o fazer pode ser implementar uma solução como a JumpCloud, um parceiro Forefront , para gerir as identidades dos seus funcionários e permitir o Single Sign-on (SSO) para todas as aplicações e sistemas da sua empresa.

Os factores humanos na cibersegurança são simultaneamente uma vulnerabilidade e uma oportunidade. Embora a natureza humana possa ser explorada, também pode ser cultivada e reforçada para se tornar a defesa mais resistente de uma organização.

A formação dos funcionários para que se tornem mais conscientes em relação à segurança não é um evento único, mas um processo contínuo que exige empenho, inovação e adaptabilidade. Ao criar uma cultura em que a segurança é uma responsabilidade partilhada, transformamos o elo mais fraco numa cadeia forte, capaz de resistir ao cenário em evolução das ciberameaças.

Forefront tem um conjunto de soluções que vão desde a formação em cibersegurança, à monitorização e proteção de endpoints, a soluções MFA como o YubiKeys ou à gestão de identidades como o JumpCloud. Entre em contacto connosco e um dos nossos especialistas em cibersegurança ajudá-lo-á a encontrar as melhores soluções para a sua empresa.

Lembre-se, a tecnologia só nos pode levar até certo ponto. É o toque humano que faz ou desfaz os nossos esforços de cibersegurança, e Forefront está aqui para o ajudar a conseguir isso!

Partilhar esta publicação
Imagem do escritor
Kristina Petrosyan

Artigos semelhantes

Junte-se a mais de 2.000 subscritores

Inscreva-se para receber actualizações em Forefront e as últimas notícias sobre cibersegurança.
Na nossa política de privacidade, preocupamo-nos com os seus dados.
Obrigado! A sua candidatura foi recebida!
Ops! Algo correu mal ao submeter o formulário.